Seminário aborda inovações, desenvolvimento e seus desafios para sustentabilidade da floresta amazônica

Seminário aborda inovações, desenvolvimento e seus desafios para sustentabilidade da floresta amazônica

Tecnologias, políticas e aplicações são temas de evento promovido pela Rioterra.

O IV Seminário Perspectivas Florestais para Conservação da Amazônia, promovido pelo Centro de Estudos (CES) Rioterra como parte do projeto Semeando Sustentabilidade, patrocinado pela Petrobras através do Programa Petrobras Socioambiental, será realizado entre os dias 7 a 9 de junho, em Porto Velho. “O evento representa uma oportunidade para pensarmos Rondônia, sobre o futuro de nossas florestas, conhecer oportunidades de mercado, discutir políticas públicas voltadas à conservação e as aprender sobre iniciativas socioambientais desenvolvidas na região”, comentou o coordenador de Projetos da Rioterra, Alexis Bastos.
No dia 7 de junho, representante do Fundo Brasileiro para Biodiversidade – Funbio/Ever Green/RJ falará sobre oportunidades dos mercados de recuperação de áreas.
Dia 8 de junho, o Programa de Recuperação Ambiental (PRA) da Amazônia, e sua visão em âmbito regional, será tema do representante da Agência de Cooperação Alemã (GIZ). Em âmbito estadual, o PRA também será apresentado pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam/RO). A empresa Biofílica, sediada em São Paulo, fará apresentação sobre novos mercados florestais, espacialmente REDD+ e Cotas de Reservas Ambientais – CRA. Em seguida, o representante da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Alta Floresta/MT apresentará o programa de pagamento por serviços ambientais em bacias hidrográficas realizado no Mato Grosso. Duas palestras apresentarão resultados de trabalhos voltados para a recuperação de áreas realizados em Rondônia. O CES Rioterra abordará estocagem de carbono em áreas recuperadas e a Associação Ecológica Guaporé (Ecoporé) falará sobre a atuação de agricultores familiares como agentes de conservação.
No dia 9 de junho,.o Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora/SP), falará sobre a consolidação de áreas protegidas como indutoras de desenvolvimento local sustentável. A Operação Amazônia Nativa (OPAN/MT), Associação Pacto das Águas (MT) e a Cooperativa de Agricultores do Vale do Amanhecer (Coopavam/MT) falarão sobre a importância das terras indígenas para a gestão territorial na Amazônia; desafios das cadeias produtivas e a cadeia produtiva da castanha do Brasil, respectivamente. E no fechamento do evento, representante do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) apresentará as novidades sobre monitoramento da cobertura vegetal para a Amazônia.
Mais de cem pessoas – acadêmicos, professores e técnicos – já se inscreveram para o evento. As inscrições estão encerradas, mas ainda há possibilidade de incluir novos participantes a partir de desistências. Confira a programação completa do seminário no site: semeandosustentabilidade.org.br  
 

3
Rioterra abre inscrições para seminário “Perspectivas Florestais para Conservação da Amazônia”

Rioterra abre inscrições para seminário “Perspectivas Florestais para Conservação da Amazônia”

 

Evento vai reunir em Porto Velho representantes de 12 entidades que atuam na vanguarda da pesquisa, desenvolvimento tecnológico e implementação de políticas socioambientais na região amazônica.

O Centro de Estudos Rioterra abriu essa semana as inscrições para o “IV Seminário Perspectivas Florestais para Conservação da Amazônia – Tecnologias, Políticas e Aplicações”, que será realizado de 7 a 9 de junho, no auditório da UNIR/Centro, em Porto Velho. As inscrições para o seminário são gratuitas e podem ser feitas a partir do dia 5 de maio pelos sites www.semeandosustentabilidade.org.br e www.rioterra.org.br até o dia 15 de maio. As vagas são limitadas. O seminário é das ações do projeto Semeando Sustentabilidade, patrocinado pela Petrobras, através do Programa Petrobras Socioambiental e conta com o apoio da Universidade Federal de Rondônia – UNIR.

“Sempre buscamos trazer para nossas discussões instituições e pesquisadores que estão atuando sobre temas relevantes para a região. Nesta edição, conforme o tema, haverá uma grande diversidade de assuntos e olhares, pois teremos representantes de vários Estados cujo trabalho tem repercutido positivamente para conservação da floresta. Será uma oportunidade para técnicos e universitários ligados a área socioambiental conhecer e debater sobre ações inovadoras”, explica o coordenador de programas do CES Rioterra, Alexis Bastos.

Durante o seminário, estão programadas discussões sobre recuperação de áreas e oportunidades de mercado; implementação de políticas como o Programa de Regularização Ambiental –PRA na Amazônia, especialmente em Rondônia; pagamento por serviços ambientais (PSA) e o estado da arte dos mercados; mudanças climáticas e estocagem de carbono em áreas recuperadas; monitoramento da cobertura vegetal, onde serão apresentadas as últimas novidades desenvolvidas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE); cadeias produtivas e o papel dos povos tradicionais, indígenas e agricultores familiares na conservação.

As vagas são limitadas. Não perca a oportunidade. Participe!!!!

 

Clique aqui para se inscrever

0
Dias melhores para conservação do solo em Rondônia

Dias melhores para conservação do solo em Rondônia

Dia Nacional de Conservação do Solo, 15 de abril, foi criado como um alerta para a necessidade de cuidar deste bem precioso.

Comemorado no dia 15 de abril, o Dia Nacional de Conservação do Solo serve como um alerta para a falta de cuidado com que a sociedade brasileira, de uma maneira geral, vem tratando deste bem tão precioso.  A data foi criada para conscientizar a população sobre a necessidade de utilizá-lo de forma correta, garantindo a sua conservação. “As pessoas esquecem que do solo depende a nossa vida”, ressalta o coordenador do Centro de Estudos Rioterra, Alexis Bastos.  A entidade desenvolve em Rondônia o projeto ‘Semeando Sustentabilidade’, voltado para a recuperação e conservação do solo, através da disseminação de técnicas agroecológicas. “Espera-se com tais práticas melhorar a produção e utilizar áreas que haviam sido abandonadas evitando avanços sobre a floresta na Amazônia” complementou Alexis. O projeto Semeando Sustentabilidade é patrocinado pela Petrobras, através do programa Petrobras Socioambiental.

Condição indispensável para a vida do homem no planeta, o solo é um recurso finito, limitado e vem sendo degradado de forma cada vez mais rápida, o que potencialmente ameaça a sua capacidade de regeneração, que é extremamente lenta, provocando a temida desertificação, fenômeno existente em Rondônia. Esse fator é agravado ao se considerar o quão recente é a ocupação do solo para atividades agrícolas no estado.

O projeto Semeando Sustentabilidade atua junto a agricultores familiares dos municípios de Rio Crespo, Cujubim e Itapuã do Oeste, no entorno da Floresta Nacional do Jamari, levando até eles, de forma gratuita, as condições necessárias para a recuperação de áreas degradadas com a implantação dos Sistemas de Agroflorestais (SAFs). Os SAFs consorciam o plantio de árvores florestais nativas, com espécies permanentes (ambas observam o potencial econômico), capazes de gerar renda em áreas menores. Tais arranjos ainda permitem o cultivo de lavouras anuais, principalmente no início do processo de recuperação. O projeto é uma iniciativa inédita na região de abrangência do projeto, onde a paisagem é dominada por atividades extensivas, como a pecuária bovina e o cultivo soja.

0
Projeto orienta para recuperação de áreas com rentabilidade

Projeto orienta para recuperação de áreas com rentabilidade

Extensão rural realizado pela Rioterra oferece técnicas sustentáveis para aumento de renda

O trabalho  de recuperação de áreas degradadas realizado pelo Centro de Estudos (CES) Rioterra no entorno da Floresta Nacional do Jamari, em Rondônia, patrocinado pela Petrobras através do Programa Petrobras Socioambiental, tem contribuído para a difusão de técnicas agrícolas sustentáveis, como a implantação de Sistemas Agroflorestais (SAFs).

Franklin Ferreira, agricultor familiar

“Acho que a questão ambiental tem que estar associada à produção. Quando se cultiva castanha, açaí e outras árvores, leva tempo para se conseguir um valor compensatório, e aí o agricultor acaba desistindo. Por isso, se tem a idéia de que preservar não compensa financeiramente”, considera o produtor Franklin Ferreira, agricultor familiar de Itapuã do Oeste, beneficiário do projeto.

O uso dos Sistemas Agroflorestais é uma novidade na região de abrangência do projeto, municípios de Itapuã, Cujubim e Rio Crespo, onde predomina a pecuária extensiva. “Queremos mostrar a possibilidade de se recuperar áreas abandonadas proporcionando adequação às atuais leis ambientais e ao mesmo tempo gerar renda, sem a necessidade de avanços sobre a floresta”, explica o coordenador de projetos da Rioterra, Alexis Bastos.

O “Semeando Sustentabilidade” proporciona aos seus beneficiários todas as condições necessárias para a recuperação de áreas, incluindo o trato da terra e o acompanhamento de técnicos que orientam os  produtores para o bom aproveitamento das áreas trabalhadas.  

 “Eu sabia que tinha que preservar, mas por conta própria ficaria caro e talvez eu nem tivesse feito a recuperação da área”, afirma o produtor Arnaldo Souza Miranda, beneficiário do projeto há quatro anos. Hoje ele comemora a proteção de uma importante nascente de água do sítio de sua propriedade, em Cujubim. “Para mim, o projeto foi muito importante porque aprendi como preservar as coisas. O reflorestamento evita a erosão, limpa as nascentes e a água flui melhor. Pretendo dar continuidade ao trabalho”, afirma o agricultor.

0
Rioterra comemora Semana Mundial da Água em escolas de Itapuã do Oeste

Rioterra comemora Semana Mundial da Água em escolas de Itapuã do Oeste

 

Programação inclui atividades lúdicas de conscientização sobre a importância da água junto  a estudante de escolas públicas do ensino infantil .

O Centro de Estudos (CES) Rioterra inicia nesta terça-feira (21 de março) a programação alusiva à Semana Mundial da Água, realizada junto a alunos de escolas públicas de ensino infantil e fundamental do município de Itapuã do Oeste.  A programação faz parte do projeto ‘Semeando Sustentabilidade’, patrocinado pela Petrobras, através do programa Petrobras Socioambiental , e será estendida até a sexta-feira, com expectativa de atender cerca de 600 crianças de quatro a oito anos.

 

“A nossa intenção é sensibilizar a criançada sobre o valor da água e a necessidade de preservar este bem de valor inestimável para todas as pessoas. O evento se insere na filosofia de trabalho da Rioterra, de difundir a ideia de que é preciso cuidar e preservar a natureza para as próximas gerações”, explica o educador ambiental da entidade, biólogo Alexandre Queiroz.

 

A programação  inclui uma série de atividades lúdicas, com informações sobre a formação da água, sua importância, a necessidade de conservação e o  reuso deste bem natural.  As brincadeiras foram selecionadas de acordo com a idade dos pequenos estudantes do primeiro ao terceiro ano das escolas municipais de ensino infantil ‘Cecília Meirelles’ e ‘Sossego da Mamãe’ que participam do trabalho.

0