HORTAS COMUNITÁRIAS COMO MEIO DE INCLUSÃO SOCIAL

HORTAS COMUNITÁRIAS COMO MEIO DE INCLUSÃO SOCIAL

A situação de vulnerabilidade social em que vivem famílias dos municípios de atuação do Centro de Estudos Rioterra foi fator que motivou o desenvolvimento de um projeto para construção de hortas comunitárias, com o objetivo de promover a inclusão de mulheres e jovens em situação de vulnerabilidade social.

Neste contexto, foi realizado entre os dias 21 e 24 de junho de 2016, no Viveiro Municipal de Itapuã do Oeste, o curso de Olericultura (cultivo de legumes e hortaliças). Este curso faz parte das ações do Projeto “Semeando Sustentabilidade”, patrocinado pela Petrobras através do Programa Petrobras Socioambiental.

“Uma das etapas para a criação da horta comunitária foi a realização deste curso de Olericultura, ele nos possibilitou conhecer melhor as integrantes que serão selecionadas para participar da horta comunitária”, disse Lidiane Camacho, educadora do CES Rioterra.

Durante o curso foram abordados assuntos como a construção dos canteiros, manutenção e o cultivo das plantas, sempre primando pelo protagonismo das participantes, que colocaram a mão na massa aprendendo como trabalhar com as hortas desde a organização até a utilização de técnicas agroecológicas para evitar o desperdício de nutrientes da terra.

“Ao promovermos ações de afirmação, como esta junto às mulheres da comunidade, trabalhamos não apenas a inclusão, mas o resgate de autoestima, possibilidades de geração de renda, segurança alimentar e, também, formas de aproveitar pequenos espaços, inclusive na área urbana como meio para fortalecer a agricultura familiar”, complementou Janaína D. Alves, educadora do CES Rioterra.


ENQUANTO ISSO…

A horta comunitária implantada pelo projeto em abril na Escola Municipal Cecília Meireles, na linha B40, em Itapuã do Oeste, começa a dar frutos, ou melhor, vegetais.

“É muito gratificante ver que os alunos entenderam a proposta e adotaram a horta. Hoje a primeira coisa que eles fazem ao chegar na escola é visitar os canteiros para ver se tudo está bem. Há alguns dias atrás fizemos a primeira colheita de rúcula que já foi usada na merenda. Na próxima semana faremos a colheita da alface. Os alunos esperam ansiosos”, falou a diretora da escola Luciana Monteiro.

“A partir do momento em que os parceiros viram que a escola, de fato, cuidou da horta, também passaram a apoiar. A prefeitura cedeu alguns materiais como carrinho de mão e pequenas ferramentas. Ficamos felizes com o envolvimento da escola e aceitação da prefeitura do projeto. Quem sabe possamos replicar essa ação para outras escolas. O potencial enquanto ferramenta para educação é enorme”, disse Alexandre Queiroz educador do CES Rioterra.

0
CACAU CLONAL – ALTA PRODUTIVIDADE E RENDA

CACAU CLONAL – ALTA PRODUTIVIDADE E RENDA

O Centro de Estudos Rioterra em parceria com a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira – CEPLAC realizou nos dias 21 e 22 de junho 2016, intercâmbio em Ouro Preto do Oeste, no qual participaram agricultores familiares e técnicos beneficiários do Projeto “Semeando Sustentabilidade”, patrocinado pela Petrobras através do programa Petrobras Socioambiental.

O objetivo principal do evento foi demonstrar aos agricultores as várias possibilidades de aumento da produção e renda em área relativamente pequenas, através da produção do cacau clonal.

Durante visita à Estação Experimental da CEPLAC, os participantes conheceram todo o processo de desenvolvimento da cultura. No viveiro, receberam informações sobre metodologias de germinação e crescimento, além de demonstração do processo de clonagem do cacau a partir da técnica de enxertia, método de fácil replicação pelo agricultor.

Em unidades demonstrativas dentro da Estação, os agricultores e técnicos puderam observar alguns modelos de Sistemas Agroflorestais formados por cacau clonal associado a outras essências florestais.

Em uma propriedade com cacau clonal implantado a 11 anos, os participantes receberam explicações sobre técnicas de plantio, sombreamento e poda do cacau, além de informações sobre produtividade e possibilidades de agregação de valor e geração de renda com produtos derivados como chocolate, doces, trufas, entre outros.

A partir deste intercâmbio, o Centro de Estudos Rioterra, irá identificar agricultores que possam ter suas propriedades jardins clonais, áreas que funcionarão como produtores de matrizes de cacau clonal para o atendimento dos demais agricultores da região.

Está previsto ainda, um curso sobre técnicas de clonagem de cacau. Este curso será realizado no Viveiro Municipal de Itapuã do Oeste e terá como beneficiários, agricultores familiares dos municípios de Itapuã do Oeste, Cujubim e Rio Crespo.

 

0
SEMEANDO É APRESENTADO NA LINHA AZUL 2

SEMEANDO É APRESENTADO NA LINHA AZUL 2

Aconteceu ontem, em Itapuã do Oeste, linha Azul 2, na sede da Associação de Produtores Rurais da Linha Azul – APRAZUL, com o objetivo de apresentar o projeto Semeando Sustentabilidade, patrocinado pela Petrobras através do Programa Petrobras Socioambiental e executado pelo Centro de Estudos Rioterra.

Dentre as ações prevista, duas chamaram a atenção dos agricultores e agricultoras: as hortas comunitárias e os trabalhos de recuperação de áreas degradadas, devido as possibilidades de diversificação e aumento da renda.

“Aderir ao projeto e trabalhar em parceria com a Rioterra vai permitir avanços para nossa associação, pois teremos apoio para desenvolver não apenas a parte produtiva, mas para fortalecer nossa organização para lutarmos por nossos direitos”, falou Franklin Ferreira, vice-presidente da APRAZUL.

Os presentes também se mostraram interessados em ações de intercâmbio. Segundo eles, estas atividades permitem que os agricultores conheçam outras culturas e possam trocar, pessoalmente, conhecimentos com aqueles que as desenvolvem.

“Já temos previsto um intercâmbio para o mês de junho na sede da Ceplac, em Ouro Preto, para que os agricultores conheçam sistemas agroflorestais com emprego de cacau clonal. Esperamos em breve realizar outras atividades similares para que possam conhecer experiências de sucesso em Rondônia no tocante a organização social também. Vemos que esse ponto é fundamental para o desenvolvimento rural. O que temos encontrado são organizações fragilizadas e necessitando de assessoria em vários campos. Esperamos contribuir para mudança desse cenário através do projeto”, disse Janaina D. Alves, Educadora do CES Rioterra.

Novas reuniões estão sendo agendadas. Se você reside na área de atendimento do projeto Semeando Sustentabilidade e tem interesse em conhecer nossas ações, agende uma reunião para sua associação através dos telefones (69) 32312583 ou (69) 92936553 (Janaína).

2
EMBRAPA E RIOTERRA EM PARCERIA PARA DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA

EMBRAPA E RIOTERRA EM PARCERIA PARA DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA

A Embrapa Rondônia e o CES Rioterra têm desde maio discutido formas de atuação conjunta voltada para o desenvolvimento da agricultura familiar em Rondônia. O foco principal das ações são pesquisas na área da agricultura visando melhorar a produção por unidade de área em ambientes já alterados das propriedades rurais.

Um dos objetivos é que estas áreas sejam incorporadas ás áreas produtivas das propriedades, possibilitando aos agricultores diversificar e melhorar a renda, bem como diminuir as pressões de desmatamento, colaborando assim, para conservação da biodiversidade.

Como atividade inicial, técnicos do CES Rioterra que participam do projeto Semeando Sustentabilidade, patrocinado pela Petrobras através do programa Petrobras Socioambiental, receberam capacitação nos dias 14 e 15 de junho sobre a produção de café clonal na sede da Embrapa Ouro Preto.

“O café clonal pode ser uma excelente opção para agricultores da região, pois além de ser uma cultura conhecida por eles, o que facilita o manejo, permite elevados níveis de produção por unidade de área, consequentemente, levando a maiores ganhos na hora da venda”, falou o engenheiro agrônomo Uéliton Pinheiro, CES Rioterra.

“Esse material genético é o ideal para os agricultores, pois a sua alta produção e uniformidade dos frutos é um excelente atrativo. Temos que cada dia mais buscar tecnologias para melhorar a vida no campo. Melhorar a produção, os ganhos com um trabalho relativamente igual ou menor que as produções convencionais é um dos exemplos que podemos trazer para atualidade no tocante a tecnologia no campo”, falou Dejesus Ramos, botânico prático e viveirista CES Rioterra.

foto7 foto6 foto5 foto4

0
GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL PARTICIPA DE AULA DE CAMPO SOBRE USO E OCUPAÇÃO DO ESPAÇO AMAZÔNICO

GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL PARTICIPA DE AULA DE CAMPO SOBRE USO E OCUPAÇÃO DO ESPAÇO AMAZÔNICO

Acadêmicos do curso de Geografia da Universidade Federal de Rondônia participaram no dia 13 de junho, de visita ao Projeto “Semeando Sustentabilidade”, patrocinado pela Petrobras através do programa Petrobras Socioambiental, no qual conheceram diversas ações que o projeto tem realizado em prol do desenvolvimento da agricultura familiar e conservação da Amazônia, nos municípios de Itapuã do Oeste, Cujubim e Rio Crespo. foto fb 3

A atividade teve início na Floresta Nacional (FLONA) do Jamari, unidade de conservação federal gerida pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade/ICMBio,  onde os alunos percorreram a trilha da “Pedra Grande” e discutiram temas como formação e aptidão de solo para agricultura, disponibilização de nutrientes no solo, desenvolvimento regional de cadeias produtivas florestais e a maneira como esses assuntos impactam diretamente aspectos ligados às mudanças climáticas e conservação de  biodiversidade.

Em seguida os alunos visitaram o Viveiro Municipal de Itapuã do Oeste, espaço gerido pelo CES Rioterra, instituição executora do projeto, em parceria com a prefeitura do município. Durante a visita, conheceram o processo de produção de mudas desde a germinação até o processo de doação aos agricultores beneficiários do projeto.

Ao final, seguiram para uma propriedade rural beneficiada há cinco anos pelo projeto com a implantação de um sistema agroflorestal voltado à recuperação de áreas. Foram discutidos os processos de recuperação de áreas degradadas e sua importância para propiciar o retorno de funções ecológicas como reestruturação de solo, absorção de carbono, ciclagem de água, contenção de erosões e conservação de biodiversidade.

“É importante que estes acadêmicos entendam essa relação entre solo, floresta e objetivos de ocupação, pois é fundamental para o planejamento das diversas atividades voltadas para o uso da terra, a exemplo das atividades econômicas ligadas à agricultura familiar. Com esse tipo de debate ele podem refletir sobre o espaço amazônico com maior profundidade e futuramente, ampliar a atuação técnica e política regional para que tenhamos justiça social aliada a conservação”, disse Alexandre Queiroz, educador do CES Rioterra.

 

foto fb 2

0
SEMEANDO SUSTENTABILIDADE É TEMA DE EVENTO EDUCACIONAL

SEMEANDO SUSTENTABILIDADE É TEMA DE EVENTO EDUCACIONAL

Foi realizada na última quarta-feira (8), o evento “Ação Cidadã, Todos por um Bem Comum” promovido pela Comissão Interinstitucional de Educação Ambiental de Rondônia – CIEARO, em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente, ocorrido na Praça Aluízio Ferreira.foto 3

Além do Centro de Estudos Rioterra, que apresentou o projeto “Semeando Sustentabilidade”, patrocinado pela Petrobras através do Programa Petrobras Socioambiental, instituições como as associações locais, faculdades e a Secretaria de Desenvolvimento Ambiental do Estado de Rondônia/SEDAM participaram da celebração expondo seus trabalhos em prol da conservação do meio ambiente. Dentre as atividades, foram realizadas mostra de fotos e exposição de sementes. Os presentes aprenderam técnicas de agroecologia, como por exemplo fazer defensivos naturais. Também houve doação de mudas florestais, frutíferas e de horticultura.

Durante a exposição, diversas pessoas puderam conhecer as ações desenvolvidas através do projeto Semeando Sustentabilidade nos municípios de Itapuã do Oeste, Cujubim e Rio Crespo voltadas ao fortalecimento da agricultura familiar e conservação da Amazônia, como atividades de fortalecimento do capital social e regularização ambiental de propriedades rurais.

“É muito importante mostrar para as pessoas a existência de práticas sustentáveis que podem ser utilizadas tanto na área urbana como na rural, como implantação de hortas e lavouras em espaços reduzidos de área, utilizando técnicas agroecológicas, a exemplo da demonstração sobre defensivos naturais durante a exposição”, ressaltou Alexandre Queiroz, educador da CES Rioterra.

foto 2

 

foto 1

2