EXPERIÊNCIA DO VIVEIRO EDUCADOR DE ITAPUÃ DO OESTE/RO É APRESENTADA NO II CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

ii_congresso_nacional_de_educacao_ambiental

A equipe de Educação do Centro de Estudos Rioterra apresentou o trabalho “Viveiro Educador: Uma Experiência na Amazônia”, no II Congresso Nacional de Educação Ambiental e IV Encontro Nordestino de Biogeografia, com o tema “Caminhos para a Conservação da Sociobiodiversidade”, realizado pela Universidade Federal da Paraíba, em João Pessoa, entre os dias 12 e 15 de outubro de 2011.

O trabalho apresentado trata da experiências de educação ambiental do projeto Semeando Sustentabilidade patrocinado pela Petrobras através do Programa Petrobras Ambiental, desenvolvidas junto ao Viveiro Municipal de Itapuã do Oeste/RO. Nos anos de 2010 e 2011 realizou-se um conjunto de ações voltadas para o fortalecimento da gestão do viveiro por meio da construção do Projeto Político Pedagógico Participativo (PPPP), envolvendo professores, estudantes, gestores públicos, técnicos, viveiristas e lideranças sociais. O objetivo principal do projeto PPPP é consolidar o viveiro como espaço educador e não apenas de produção de mudas, ampliando o seu sentido para a construção de possibilidades de conhecimentos e práticas que o tornem um espaço de múltiplas funções socioambientais e educativas.

A apresentação da experiência do Viveiro Educador de Itapuã do Oeste – RO foi muito bem recebida pelos participantes da sala temática “Ecopedagogia e Educação Ambiental”, do qual o trabalho fez parte. O trabalho foi considerado inovador e relevante, pois agrega diversas oportunidades de conservação da sociobiodiversidade na região a partir deste espaço de referência.

O coordenador de Educação Ambiental do projeto Semeando Sustentabilidade, Emanuel Meirelles, destacou a participação da Instituição no Congresso: “o trabalho do Centro de Estudos Rioterra no Viveiro Educador de Itapuã do Oeste foi um dos poucos apresentados oriundos da região Amazônica. Ainda é uma novidade esse tipo de experiência na área de educação ambiental. Nosso intuito é que o artigo apresentado a partir da sistematização de nossas experiências com a comunidade contribua para o surgimento de novos Viveiros Educadores no país”.

Até o dia 30 de novembro de 2011 o artigo será publicado no livro eletrônico “Educação Ambiental: Caminhos para a Conservação da Sociobiodiversidade”, na pagina do congresso, http://www.cnea.com.br/site/index.php. A obra terá indexação (ISBN) e o selo da Editora Universitária da UFPB.

0

GEOTECNOLOGIA É TEMA DE CURSO MINISTRADO PELO CENTRO DE ESTUDOS RIOTERRA

fotorioterra

O Centro de Estudos Rioterra realizou entre os dias 13 e 15 de outubro, em sua sede, o curso “Geotecnologia Aplicada a Meio Ambiente”. Participaram da atividade pesquisadores, universitários e funcionários de instituições públicas e do terceiro setor que trabalham com a questão socioambiental.

O objetivo da ação é proporcionar aos técnicos conhecimentos sobre as ferramentas disponíveis para geoprocessamento e monitoramento da paisagem na Amazônia. “Os instrumentos a disposição da sociedade hoje podem ajudar muito aos gestores públicos e técnicos que atuam com as questões ambientais por permitirem uma visão ampla e espacializada do território. Isso permite que os programas de gestão ambiental e as políticas públicas voltadas ao tema possam ser melhor planejadas” ressaltou a coordenadora do Laboratório de Geoprocessamento do Centro de Estudos Rioterra, Fabiana B. Gomes.

Estão previstos novos cursos de geotecnologia para o ano de 2012. Acompanhe nossos sites (www.rioterra.org.br e www.semeandosustentabilidade.org) e mantenha-se informado.

Esta foi mais uma ação do projeto Semeando Sustentabilidade, patrocinado pela Petrobras através do Programa Petrobras Ambiental.

0

PROJETO SEMEANDO SUSTENTABILIDADE É VISITADO POR AGRICULTORES DE JI PARANÁ E REGIÃO

Agricultores familiares de Ji-Paraná e municípios vizinhos (Ouro Preto do Oeste, Jaru, Cacoal, Theobroma, Nova União, Mirante da Serra, Alvorada e Governador Jorge Teixeira) viajaram cerca de 300 km para participar, no dia 4 de outubro, de uma visita técnica ao projeto Semeando Sustentabilidade, em Itapuã do Oeste-RO. Os participantes fazem parte do projeto Silvipastoril, executado pela Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Rondônia/FETAGRO.

A atividade teve como objetivo, mostrar aos agricultores formas de produzir espécies florestais que possam ser utilizadas em processos de recuperação de áreas a partir do emprego de técnicas agroflorestais, no caso, o sistema silvipastoril.

O grupo, formado por 22 pessoas, visitou o Viveiro Municipal de Itapuã do Oeste, onde acompanharam todo o processo de produção de mudas, desde a chegada das sementes até a fase de rustificação (fortalecimento das mudas para depois serem transplantadas para o campo). Em Seguida, visitaram as propriedades rurais que estão sendo beneficiadas com os experimentos de recuperação de matas ciliares.

dsc04900

A atividade terminou com a visita à Floresta Nacional do Jamari, onde os agricultores puderam ver de perto como funciona a gestão da unidade em parceria com a comunidade do entorno. Eles aprenderam sobre o trabalho do banco de sementes, desenvolvido em parceira com o ICMBio e Universidade Federal de Rondônia, participaram de uma aula sobre o método de marcação das matrizes portas sementes e receberam informações sobre ecologia da floresta.

De acordo com o coordenador da visita monitorada, Leonardo Carvalho, técnico da FETAGRO, o Projeto Semeando Sustentabilidade é um exemplo de ação bem feita, servindo de modelo para outras instituições. Considerou a visita como uma importante troca de experiências e que pretendem disseminar as informações sobre o projeto para outros agricultores e técnicos do Estado de Rondônia.

O agricultor Naélio de Oliveira, do município de Jaru/RO, destacou a importância do Viveiro Municipal de Itapuã do Oeste para a recuperação de áreas degradadas e elogiou a distribuição gratuita de mudas para agricultores.

Emanuel Meirelles, coordenador de educação do projeto Semeando Sustentabilidade reafirma a importância do viveiro não apenas como produtor de mudas, mas como local de referência de educação ambiental. “O viveiro de Itapuã vem se consolidando como um espaço de grande valor para a agricultura familiar de Rondônia. É crescente o interesse e curiosidade das pessoas pelo trabalho que desenvolvemos junto à comunidade. Iniciamos o projeto atendendo apenas Itapuã e Cujubim. Hoje, mais 17 municípios já foram beneficiados. Queremos que mais municípios venham ver que é possível desenvolver e conservar”, afirmou.

0