Banco de sementes nativas da Amazônia já possui mais de 150 matrizes cadastradas

A ação é parte de um experimento para a recomposição de áreas degradadas no entorno da Flona do Jamari, em Rondônia

O projeto Semeando Sustentabilidade, realizado pelo Centro de Estudos Rioterra e patrocinado pela Petrobras, através do Programa Petrobras Ambiental, está finalizando o cadastramento de matrizes para formação de um banco de sementes in natura na Floresta Nacional (Flona) do Jamari. A atividade é realizada por biólogos da Rioterra, pesquisadores da Universidade Federal de Rondônia (Unir) com a parceria do Instituto Chico Mendes (ICMBio). Nos primeiros quatro meses de execução do projeto foram marcadas 150 matrizes dentre 30 espécies que estão sendo pesquisadas.

De acordo com a bióloga e pesquisadora Semiriam Amoedo, o projeto Semeando Sustentabilidade possibilita o desenvolvimento de pesquisas fundamentais para a recomposição de ambientes alterados no entorno da Flona. Destacou também, que o banco de sementes in natura será formado a partir da seleção de árvores matrizes, escolhidas por características genéticas e produtiva de sementes.

O projeto também proporcionou a aquisição de equipamentos para o Laboratório de Fisiologia Vegetal da Unir. Os equipamentos proporcionarão aumento e diversificação das pesquisas. “Esses equipamentos dão condição para produção de pesquisas mais avançadas”, destacou a pesquisadora.

O coordenador geral do projeto, Alexis Bastos begin_of_the_skype_highlighting     end_of_the_skype_highlighting, destacou que o banco de sementes já cadastrou e georreferenciou espécies raras, endêmicas e de elevado valor ecológico existentes no interior da Flona do Jamari. As informações georreferenciadas coletadas pelos pesquisadores são envidas e armazenadas no Laboratório de Geoprocessamento da Rioterra, que trabalha na sistematização dos dados, espacialização e representação cartográfica destes. Esses dados, juntamente com protocolos de desenvolvimento dessas sementes e técnicas de germinação servirão para outros estudos e experimentos que venham a ser desenvolvidos na Amazônia.

0

Centro de Pesquisas da Petrobras recebe premiação do CNPq

foto_premiacao_cnpq

O Centro de Pesquisas Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes), da Petrobras, é uma das instituições premiadas na cerimônia de comemoração do aniversário de 59 anos do CNPq. A Menção Especial de Agradecimento é concedida a instituições com significativa contribuição para o desenvolvimento da ciência e tecnologia no país.

O Cenpes é um dos maiores centros de pesquisa aplicada do mundo. Desde a sua criação, trabalha de forma integrada com diferentes instituições nacionais e estrangeiras.

No Brasil, a Petrobras é a empresa que mais investe em ciência e tecnologia. Por meio da formação e implementação de 50 redes em temas relacionados aos seus objetivos de negócio, a companhia investiu, nos últimos quatro anos, em média R$ 400 milhões por ano em projetos de pesquisa e de infraestrutura laboratorial em cerca de 100 universidades e institutos de pesquisa brasileiros. Esse modelo de parceria tecnológica tem como objetivo a construção de capacidade local de desenvolvimento tecnológico na área de petróleo, gás e energia.

0

Rioterra inicia cadastramento de propriedades rurais

foto_cadastramento

O Centro de Estudos Rioterra iniciará, nesse mês de maio, o cadastramento das propriedades de agricultura familiar interessadas em participar do Projeto Semeando Sustentabilidade, patrocinado pela Petrobras, através do Programa Petrobras Ambiental. A primeira comunidade será da linha B-90, setor rural de Cujubim. No último dia 10 de maio, técnicos da Rioterra participaram de uma reunião na Associação de Produtores da Linha B-90 (Asprub), para explicar sobre as ações do projeto e efetuar o pré-cadastramentos.

De acordo com o coordenador Ge
ral, Alexis Bastos begin_of_the_skype_highlighting     end_of_the_skype_highlighting, a adesão ao projeto é voluntária. Mudas de espécies nativas da Floresta Nacional do Jamari (Flona) estão sendo produzidas no Viveiro de Itapuã do Oeste e servirão para recompor as matas ciliares degradadas na área do entorno da floresta.

O projeto Semeando Sustentabilidade tem como objetivos a fixação de carbono, além do fortalecimento e conservação da biodiversidade e melhoria das resistências das microbacias do entorno da Flona do Jamari, nos municípios de Itapuã do Oeste e Cujubim.

Além dos cadastramentos, a Rioterra fará um trabalho de georreferenciamento para identificação e localização das propriedades. Segundo a coordenadora de geoprocessamento, Fabiana Gomes, essas marcações facilitarão as visitas técnicas durante a execução do projeto e servirão para que órgãos governamentais que atuam no programa Terra Legal identifiquem os ocupantes já cadastrados durante os mutirões do Arco Verde.

A agricultora familiar Ana Maria dos Santos, da linha B-90, fez o pré-cadastro e disse que vai aderir ao banco de áreas. Considera importantes os benefícios que o projeto Semeando Sustentabilidade proporciona, uma vez que legislação determina a recomposição das matas ciliares, mas os agricultores familiares não têm condições para produzirem as mudas.

0

Alunos da rede pública visitam viveiro de Itapuã

dsc_1323

Os alunos da Escola Municipal de Ensino Fundamental Sossego da Mamãe inauguraram a etapa de visitas ao Viveiro Municipal de Itapuã do Oeste no dia 12 de maio. As visitações são parte das atividades previstas no eixo de Educação Ambiental do projeto “Semeando Sustentabilidade”, executado pelo Centro de Estudos Rioterra, patrocinado pela PETROBRAS através do Programa Petrobras Ambiental.

Durante a visita os alunos conheceram as dependências do viveiro, puderam entender como se dá cada etapa da produção de mudas e participaram de atividades práticas. Cada aluno plantou uma muda e a identificou com seu nome para acompanhar seu crescimento em visitas futuras.

Essas ações têm como objetivo utilizar o viveiro em atividades de ensino e aprendizagem, aproximando a comunidade dele. Assim, além da produção de mudas, ele funcionará como um espaço de formação e disseminação de conhecimentos que estimulem a reflexão sobre práticas conservacionistas. Para fortalecer esse trabalho, a equipe de Educação Ambiental, em parceira com atores sociais locais, está construindo de forma participativa um projeto político pedagógico para estabelecer diretrizes e bases para sua utilização.

Informe-se e participe!

0